sábado, 9 de junho de 2007

A árvore da amizade...por J.M.


Mencionei há tempos que tenho uma turma do Jardim-de-Infância não foi? Bom, de facto, há 3 semanas que estou com eles.

Visto que não sou Educadora custou-me horrores adaptar-me a eles porque são mesmo pequeninos. São muito queridos e extremamente inteligentes. Atrevo-me a dizer que estes miúdos estão muito bem preparados e aprendem com uma facilidade completamente absurda!

Aprenderam a regra dos números em 10m e já andavam a contar até 80 e tal...fico mesmo estúpida.

Mas o que realmente me fascina é a capacidade que eles têm de questionar tudo e articular o pensamento em torno dos novos conceitos.

Como o ano lectivo está a terminar, a aula passada foi dedicada à elaboração de uma recordação para a Teacher. Resolveram (ajudei na decisão...) fazer as mãos de todos e escrever os nomes para eu não me esquecer deles. A páginas tantas eu digo qualquer coisa do género: "Agora vamos enfeitar o nosso desenho com árvores, com o mar, aquelas coisas que nós gostamos mais. " Para quê? perguntou o J.M. e eu respondi que era a recordação da nossa amizade. Os circuitos sofreram uma sobrecarga, o J.M. ficou uns segundos a fitar-me pensativo e depois sai-se com esta:" Eu sei fazer essa árvore." Então fiquei eu a apanhar papéis."Qual árvore J?" e ele responde-me isto:"A árvore da amizade. É assim...queres ver?"

There is still hope.

16 comentários:

Teresa disse...

Adorável!!!!
Que ternura!
Mas ouve uma coisa, que idade tem o miúdo? Este traço é de um catraio com menos de seis anos?

Há muitos anos fui catequista, e tinha a turma dos mais pequeninos - 6 e 7 anos. Tenho recordações preciosas. O que mais me sensibilizou foi que, mais de um ano depois, um dia, estava eu em casa, tocam à porta e era o Alexandre, um miúdo cheio de problemas, família muito carenciada, nem por isso muito inteligente... Tinha-me ido visitar espontaneamente, imagina! Tinha saudades minhas! Só não chorei à frente dele porque... não podia, não é? Até porque às tantas exclamou "O que eu mais gostava era que a Teresa voltasse a ser minha catequista!"

Estas coisas compensam de tanto!

Benfiquista disse...

emocionante Sra.Professora

ana disse...

É assim! eles às vezes surpreendem-nos e fazem-nos pensar porque é que todos os dias acordamos para a batalha da educação - no meu caso, não formal.
É que estas coisas compensam mesmo todas as chatices e dificuldades do trabalho, não é?

Beijinhos, s'tôra.

p.s.- já agora, vê se dás uma boa avaliação ao miúdo...

Para sempre, Maria disse...

Teresa:

É o que safa a coisa. É que, às vezes, esquecemo-nos da verdadeira essência das crianças.O rousseau é que tem razão, as crianças nascem naturalmente boas...somos nós que as corrompemos.

Neste "nós" incluo-me a mim. Tenho plena consciência que a falta de paciência lhes faz muito mal.

Beijo

Para sempre, Maria disse...

Teresa:

Tem 6. Mas o desenho que aparece no post não é dele. Ele ficou com o dele para pôr no frigorífico.

beijo

Para sempre, Maria disse...

ana:

Sem dúvida, minha querida. São mal-educados. barulhentos, calões...mas quando querem deixam-nos de lagriminha ao canto do olho.

Beijo

Rafeiro Perfumado disse...

É pena é a árvore não ter contacto com a terra, vai morrer num instante... ;)

Popper disse...

Belo testemunho. Ternurento. Já ganhei o dia ou talvez a semana. Bom fim-de-semana.

Maria Cunha disse...

there is always hope.

maria, gabo-te a sorte! e gabo mesmo...

Teresa disse...

Maria,
Eu por norma embirro com estas coisas de desafios, até já tinha avisado que de futuro recusaria todos, a não ser que lhes achasse graça. Achei. E nomeei cinco pessoas que o continuassem- és uma delas. Mas acho que vais gostar.

O tema é leitura. As tuas cinco últimas leituras. Está no meu cantinho.

Beijo.

Para sempre, Maria disse...

Rafeiro:

Insensível duma figa!!!!;)

Beijo

Para sempre, Maria disse...

Popper:

O intuito era mesmo esse:dar alento para a semana...é que hoje é segunda e as duas turmas que tive de manhã já me fizeram passar sos carretos...enfim...
Obrigada pela visita.Volta sempre.

Para sempre, Maria disse...

Maria:

E então, que tal o bronze???'Hã???
Pois...eu fartei-me de passear mas a seco.

Sim, são momentos destes que me fazem reconsiderar...

beijo

Para sempre, Maria disse...

Teresa:

I'm on my way!

Rita disse...

Os miúdos pequenos são mesmo o máximo têm o poder de nos levar às lágrimas num minuto e no minuto seguinte nos tirarem completamente do sério. Conviver com eles é melhor que a Montanha Russa. Mas uma só dessas lágrimas é suficiente para apagar todos os outros momentos menos bons.
Jokas

Bellatrix disse...

os pequeninos são complicados.. custa habituar.. mas depois.. hummmm.. são uma delícia... quase chorei no meu anoversãrio com o livrinho que os pequeninos fizeram para mim... delicioso...
beijinhos :)