terça-feira, 12 de junho de 2007

...como se tivessem boca.

Ora portanto, a minha querida homónima, achou por bem que 5 livros não satisfaziam a sua curiosidade. Digamos que ela quer ter a certeza se, de facto, está a lidar com uma pessoa extremamente inteligente. Eu respondo: epá...não. ´

Cá vão mais 5:

"Gosto de fazer amor" de José F. Zurita...não, eu não sou uma grande maluca. O livro é adorável, e expõe, sem psiocologias parvas, aquilo que é uma relação a dois. Recomendo uma leitura a dois.

"Cultura" de Dietrich Schwanitz...é um calhamaço do caneco. Assusta um bocadinho. Mas é um livro que condensa o indispensável e o extremamente interessante em matéria de História Mundial.

"Noutra dimensão" de John Edward...sim, é aquele senhor que aparece no People and Arts a falar com os mortos. Escusam de gozar, eu acredito naquilo.

"Retrato a Sépia" de Isabel Allende...não tão genial como a "Casa dos Espíritos".

"Veinte poemas de amor y una canción desesperada" de Pablo Neruda...

" Puedo escribir los versos más tristes esta noche.

Escribir, por ejemplo:«La noche está estrellada,
y tiritan, azules, los astros, a lo lejos».

El viento de la noche gira en el cielo y canta.

Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Yo la quise, y a veces ella también me quiso.

En las noches como ésta la tuve entre mis brazos,
La bése tantas vezes bajo el cielo infinito.

Ella me quiso, a veces yo también la quería.
Cómo no haber amado sus grandes ojos fijos.

Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Pensar que no la tengo. Sentir que la he perdido.

Oír la noche inmensa, más inmensa sin ella.
Y el verso cae al alma como el pastor el rocío.


Qué me importa que mi amor no pudiera guardarla.
La noche está estrellada y ella no está conmigo.

Eso es todo. A lo lejos alguien canta. A lo lejos.
Mi alma no se contenta con haberla perdido.

Como para acercarla mi mirada la busca.
Mi corazón lá busca, y ella no está conmigo.

La misma noche que hace blanquear los mismos árboles.
Los otros, los de entonces, ya no somos los mismos.

Ya no la quiero, es cierto, pero cuánto la quise.
Mi voz buscaba el viento para tocar su oído.

De otro. Será de otro. Como antes de mis besos.
Su voz, su cuerpo claro. Sus ojos infinitos.

Ya no la quiero, es cierto, pero tal vez la quiero.
Es tan corto el amor, y es tan largo el olvido.

Porque en noches como ésta, la tuve entre mis brazos,
Mi alma no se contenta con haberla perdido.

Aunque éste sea el último dolor que ella me causa,
Y éstos sean los últimos versos que yo le escribo
."

Não conseguiria nunca dizer o que é, só lendo. Eu sei que ninguém vai ler porque é espanhol e tal mas, já estou como a Teresinha...paciência!

9 comentários:

Maria Cunha disse...

a parte da inteligência eu já a comecei a conhecer :) não preciso que me digas que não o és porque o vejo nas linhas que escreves...

"gosto de fazer amor"... acho que poderá tornar-se numa boa prenda para eu oferecer :)...

"noutra dimensão" talvez venha a ler, mas eu cá tenho muita dificuldade em acreditar naquilo que não é palpável... apesar de acreditar no amor, vá lá a gente percebê-la!

obrigada Maria, vou guardar as sugestões...


beijo



e as melhoras :)

Para sempre, Maria disse...

Maria:

Espero que leias pelo menos o último. É lindíssimo. Gostei muito da forma com que fizeste a review dos teus 5.Original, como de costume. Para quando o livro da Maria Cunha?

foryou disse...

(e de um sou reencaminhada para o outro, ainda bem)

Estou de pleno acordo contigo sobre "Gosto de Fazer amor". Um livro que muito boa gente devia ler.

"A Casa dos Espiritos" gostei, esse ainda não li. Pronto chamem-me parvinha mas não sou fã da autora.

"Cultura - Tudo o que é preciso saber" falei ali de onde vim :) e "Noutra Dimensão" já eu ando até demais lol (não conheço).

Pablo Neruda? Todos!

Maria Cunha disse...

o livro da Maria Cunha tem a maior parte dos capítulos ainda em fermentação... quem sabe um destes dias...

vou ler este último... estou muito curiosa :)

beijo

Dina disse...

Até que enfim conheço alguém que leu esse livro...refiro-me ao Gosto de fazer amor que já li há uns bons anos e até hoje nunca tinha encontrado ninguém que o tivesse lido.
Já agora leste o livro da nossa conterrânea Teresa Direitinho? Se leste o que achaste?

Teresa disse...

Mariazinha,
Ai, Neruda! E escolheste justamente o Poema 20, o mais... (faltam-me adjectivos). Hei-de contar-te em privado a forma como o conheci. Em castelhano, claro, mas julgo ter existido em tempos uma edição bilingue do livro - eu tenho o original.

Beijinho grande.

Para sempre, Maria disse...

Dina:

Ora pois está claro que li! E o "Digo-te porque gosto de ti" também!

Não li o tal livro da nossa patrícia, mas "como chama-se"?

Beijo

Teresinha:

Eu comprei o livro no quiosque do Hospital Infanta Cristina, no segundo dia de internamento da minha cunhada. Ela tinha sofrido um grave acidente e estava entre a vida e a morte...este livro- que possuo há cerca de 4 anos-foi para mim, durante aqueles dias de agitação e espera, um verdadeiro conforto.
Agora, gosto de lê-lo de vez em quando ao Eskisito quando vamos nanar!

Beijo

Para sempre, Maria disse...

foryou:

Tens direito a comment separado!Um luxo!!!
Ainda bem que partilhas a minha admiração por Neruda.It may be a common ground to start from.

beijo

Bellatrix disse...

eu li.. aliás, reli... e gosto, sempre....