sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Cut the crap!

No outro dia almocei na cantina da escola.

Podia até escrever só isto, e o post já por si só encerraria um significado profundo. Mas eu, gaja atenta que até chateia, gosto de vos explicar, a vocês leigos (e sortudos), aquilo que se passa numa cantina da escola.

Primeiro que tudo, como cantina que se preze, cheira sempre a puré e a fritos. Eles(quem?) bem que tentam implementar uma dieta saudável e tal, mas se os putos não comem a sopa e a salada em casa (mesmo com os pais a aviarem-lhes na tromba), como, pergunto como, é que eles vão comer sozinhos? Desconheço.

Segundo, os meninos, assim que dá o belo do toque, correm pelos corredores fora como se a sopa evaporasse e o esparguete desaparecesse em contacto com o ar. Em 12.5 segundos, engolem aquilo tudo e vai de correr por ali fora, pelo que, a hora a evitar é precisamente aquele quarto de hora que se segue ao toque.

Depois é comer enquanto se diz mal, isso é que é tabaco! E seguem-se conversas deste género:

Coleguinha ultra pedagógica- Então, aquela tropa portou-se bem?

Eu- O costume. O J.M. empurrou o R. na fila e teve logo amarelo, o L. teve de ser ameçado para passar a matéria para o caderno, se não passasse levava recado na caderneta, e o J.D. continua com a mania de perseguição.

Coleguinha ultra-pedagógica- Pois, têm a auto-estima tão baixa...taditos...

Eu- Mas a má-educação em alta! Valha-nos isso!

Coleguinha ultra-pedagógica- hihihihihi. Mas temos que aproveitar todos os momentos para os reforçar...eles têm poucos modelos correctos em casa e...

Eu- Eu sei, essa cadeira do curso é realmente boa! Eu gostava de saber como é que se reforça positivamente um miúdo que leva a vida a bater em tudo o que se mexe...é cá uma dúvida!

Coleguinha ultra-pedagógica a deixar-se de tretas cá para o meu lado- Olha, ontem, para o L. trabalhar tive de lhe dar um tabefe. Fez logo tudo a horas!

Eu- Ah, estou a ver.


Portanto, os almoços com o clube do tricot servem para isto: penetrar no âmago deste universo paralelo que é, nada mais nada menos, do que a vida de uma professora titular que manda postas de pescada para se armar ao pingarelho e que, depois de perceber que eu não vou em tangas, lá abre o jogo e explica as suas MAGNÍFICAS estratégias.

13 comentários:

dualidades np disse...

Falsas...são um bando de falsas!
Olhá a fina, a armar-se em super profissional! E logo pra cima de ti!
Boa Maria, rebenta com as gajas!
Bejos

mik@ disse...

maria apanha-las todas. mas essa gente não sabe ter conversas normais? toda a gente sabe que os miudos sao irrequietos, dificeis e quando decidem não fazer o que lhes pedimos é um stress do carago. não adianta disfarçar a coisa com falsas pedagogias...

Mo disse...

Caso pra dizer, "toma lá q já almoçaste!"

;)

Teresa disse...

Grande gargalhada! Fabuloso diálogo, adorei a desconstrução da outra! Com que então a recorrer a métodos artesanais, arcaicos, antipedagógicos, tudo o que se queira... mas que, vá-se lá saber porquê, continuam a mostrar-se eficazes?

Beijo grande.

Azul disse...

Para variar, estou a rebolar a rir.
Tu dá-lhes forte e feio, mulher!

Flávio disse...

É o habitual, esquecem-se que o próprio umbigo também acumula cotão!!!

Celeste disse...

Maria, ó pá! Reforçar os meninos é preciso... atão? Eu sou psicóloga, não posso ouvir destas! :D

ok, se não for com muita força, ou injustifcada, passa...

Restelo disse...

Muitos dos antepassados desses putos levaram tabefes e, que se saiba, não lhes fez mal nenhum!

Andreia disse...

Ai a coleguinha ultra-pedagógica... hihihihihih, um tabefe!

Tu és GRANDE MARIA!:)

beijo

Mad disse...

Eu nunca comento, mas...

BRILHANTE!!!!!!

Mad disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rita disse...

Elas são muito profissionais mas quando lhes chega a mostarda ao nariz soltam a franga como ao comum dos mortais...
Jokas

Seni disse...

Nunca apanhou foi uma mãe ulta pedagógica.
Kiss